quarta-feira, 28 de novembro de 2018

1 Coríntios 13


As cartas aos Coríntios, foram formuladas por Paulo, apóstolo, chamado pela vontade de Deus (1Co 1:1). Ele destinou suas palavras aos chamados Santos de Coríntios, devido ao fato de que poderia estar havendo muitas divergências doutrinárias, referentes ao cristianismo.
Essas divergências, por sua vez, acabavam se
Separando o povo, causando desavenças devido as diferenças de pensamentos segundo o cristianismo.
Sabendo disso, podemos observar que por quê o capítulo 13, em especial, para este povo.
Paulo explica, de uma forma sintética, sobre os dons dados por Deus.
Do versículo 1 até o 4, Paulo cita pelo menos 3 dons, dados por Deus, sendo eles o dom da profecia, da fé e do amor. Entretanto, nos mesmos capítulos, o Apóstolo nos mostra algumas demonstrações de que, mesmo tendo esses dons, sejam eles em abundância ou não, de nada adianta se os fizermos sem conter o amor.

"O amor é paciente, é benigno; o amor não arde em ciúmes, não se ufana, não se ensoberbece, 5 não se conduz inconvenientemente, não procura os seus interesses, não se exaspera, não se ressente do mal; 6 não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade; 7 tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. 8 O amor jamais acaba; mas, havendo profecias, desaparecerão; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, passará."
Logo depois, Paulo nos diz o porquê o amor é o maior dos dons. Isso pelo fato de que o amor não acaba. O amor é eterno, enquanto os dons da profecia e da fé, acabam no momento em que são revelados ou realizados. Eles não perduram. O amor é o que é, independentemente da fe ou da esperança de algo que está por vir. O amor é, e nada mais.
Paulo enfatiza que durante seu aprendizado, desde menino até a fase adulta, várias coisas envolviam os três dons. Ou seja, temos coisas que estão ainda por vir, temos coisas que não conhecemos de fato, porém temos ferem sua existência. Mas todas essas coisas são esperadas e executadas através do amor.
Sendo que o mais importante, sempre será o amor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário